sábado, 14 de julho de 2012

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2012


Capitais têm 191 candidatos a prefeito; 85% são homens

As 26 capitais brasileiras que definirão novos prefeitos nas eleições de outubro deste ano têm, juntas, 191 candidatos, segundo dados do sistema de registro de candidaturas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Do total de candidatos, são 163 homens (85%) e 28 mulheres (15%).
O TSE informou que vai concluir até este fim de semana a inserção no sistema dos dados dos candidatos a prefeito e a vereador de todas as cidades do país - em algumas cidades não constam informações sobre os candidatos às camaras municipais, por exemplo.

Entre as capitais, São Paulo (SP) é a cidade com o maior número de candidatos a prefeito - 12. Depois aparecem Fortaleza (CE) e Belém (PA), com 10 candidatos a prefeito cada.
São Paulo tem também o maior número de candidatas mulheres: são três. Rio Branco (AC), Maceió (AL), Belo Horizonte (MG), João Pessoa (PB), Porto Velho (RO) e Florianópolis (SC) aparecem na sequência com duas candidatas cada.

Seis capitais não têm nenhuma mulher na disputa pela cadeira de prefeito: Salvador (BA), Fortaleza (CE), Campo Grande (MS), Cuiabá (MT), Teresina (PI) e Natal (RN).

Grau de instrução

Em relação ao grau de instrução, a maioria dos candidatos a prefeito declarou ter o ensino superior completo, essa é a condição de 75% dos candidatos, ou 145 dos 191 pleiteantes.

Os que declararam ter pelo menos começado o ensino superior são 89%, 170 candidatos.

Há apenas dois candidatos a prefeito no país que declararam não ter completado o ensino fundamental, um deles tenta governar a Prefeitura de Fortaleza e o outro a de Porto Velho.

Entre o restante dos candidatos, 7% têm o ensino médio completo e 1% em escolaridade abaixo do ensino médio.

Profissões

Dos 191 candidatos, 45 declararam como profissão ser deputado - a profissão mais recorrente entre os candidatos a prefeito. Depois, aparecem as funções de servidor público (24 candidatos), professor (21 candidatos), advogado (14), empresário (10) e médico (9).

Idade.

O candidato a prefeito mais velho do país tem 78 anos e vai tentar governar a Prefeitura de João Pessoa, na Paraíba. mais novo tem 24 anos e é candidato à Prefeitura de Vitória, no Espírito Santo.

A raposa dentro do galinheiro...?

Wilder de Morais toma posse no Senado no lugar de Demóstenes

O senador Wilder de Morais (DEM-GO) tomou posse hoje (13) em uma sessão esvaziada (com Z, e não com S), com apenas quatro parlamentares em plenário. Ele é o primeiro suplente de Demóstenes Torres, cassado esta semana pelo Senado por decoro parlamentar, ao usar o mandato para beneficiar o empresário goiano Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, preso em Brasília.
Ele chegou ao Senado por volta das 9 horas e, logo após prestar o juramento tradicional, deixou o plenário. "Prometo guardar a Constituição Federal e as leis do país, desempenhar fiel e lealmente o mandato de senador que o povo me conferiu e sustentar a união, a integridade e a independência do Brasil", jurou o senador para os quatro parlamentares presentes: Ciro Nogueira (PP-PI), que presidia a Mesa; Ana Amélia (PP-RS); Roberto Requião (PMDB-PR) e Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR).
Antes da posse oficial, Wilder de Morais entregou ao presidente da sessão, Ciro Nogueira (PP-PI), o original do diploma de primeiro suplente e os demais documentos exigidos por lei para que pudesse ser oficializado no lugar de Demóstenes Torres.
Empresário, Wilder Pedro de Morais, é dono da Orca Construtora e de shopping centers em Anápolis e Goiânia. Ele já assume o cargo com senadores cobrando informações publicadas pela imprensa de que teria sonegado bens na declaração do Imposto de Renda.
O senador também aparece nas gravações feitas pela Polícia Federal durante as investigações da Operação Monte Carlo. Pelo menos uma conversa entre ele e o contraventor Carlinhos Cachoeira já se tornou pública.
De acordo com a Justiça Eleitoral, o empresário doou R$ 700 mil para a campanha de Demóstenes em 2010. Com tal valor, Wilder aparece como segundo maior doador de campanha do ex-senador.
Wilder de Morais foi casado com Andressa Mendonça, atual mulher de Carlinhos Cachoeira. Foi por causa da relação estreita com Cachoeira, flagrada em diálogos gravados pela Polícia Federal, que Demóstenes Torres perdeu o mandato, acusado de quebra de decoro parlamentar.
Demóstenes chegou a citar o suplente durante o depoimento no Conselho de Ética. Ao caracterizar sua amizade com Cachoeira, Demóstenes disse que ele discutia problemas conjugais, que culminaram com a separação de Andressa e Wilder de Morais.

Eita homem blindado! Mas nem tanto né...

O procurador Demóstenes sofrerá procedimento administrativo
Procurador de carreira, o ex-senador goiano Demóstenes Torres (sem partido) deverá enfrentar um procedimento disciplinar quando retornar ao cargo no Ministério Público de Goiás, do qual estava licenciado desde 1999.
Em nota, a Corregedoria-Geral do ministério informou que aguardava apenas a publicação da decisão do plenário no Diário do Senado para instaurar um procedimento disciplinar a fim de apurar se Demóstenes cometeu eventual falta funcional. Nenhum procedimento foi instaurado até então porque as acusações e suspeitas contra o ex-senador não atingiram sua atuação como membro do Ministério Público. A decisão do plenário está publicada na edição desta quinta-feira do Diário do Senado.
Acusado de ter beneficiado a organização criminosa supostamente comandada pelo empresário Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, Demóstenes teve o mandato cassado dia (11) por quebra de decoro parlamentar. Foram 56 votos contrários à permanência dele no cargo, contra 19 favoráveis e 5 abstenções. Ele só poderá voltar a disputar eleições em 2027.
A licença de Demóstenes perde o efeito tão logo a decisão do Senado seja publicada. Caso reassuma o cargo de procurador, Demóstenes voltará a atuar na 27ª Procuradoria de Justiça, onde receberá um salário de R$ 22 mil, sem considerar os benefícios do cargo de procurador.
Além disso, mantido o vínculo com o MP-GO, Demóstenes continuará detendo foro privilegiado por prerrogativa de função. Assim, o processo do Supremo Tribunal Federal (STF) deverá ser julgado pelo Tribunal de Justiça de Goiás. Já se ele for desligado do ministério antes do julgamento, poderá ser julgado pela Justiça Federal em Goiás.
A Corregedoria Nacional do Conselho Nacional do Ministério Público também está apurando o suposto envolvimento do procurador-geral de Justiça de Goiás, Benedito Torres, com o grupo de Carlinhos Cachoeira. O procurador é irmão de Demóstenes.

Pelo fim da famigerada Lei Kandir...

 a aprovação da distribuição da chamada cessão onerosa do pré-sal e o pagamento de R$ 4 bilhões até o final do ano, pelo Governo Federal,...