segunda-feira, 29 de março de 2010

Água suja mata mais que guerras

Na Semana Mundial da Água, celebrado com manifestações em diversos países, o alerta de um relatório do Programa do Meio Ambiente das Nações Unidas (Unep, na sigla em inglês) foi duro: as águas do planeta estão cada vez mais poluídas e mais pessoas morrem hoje em todo mundo por causa dessa contaminação do que por todas as formas de violência, inclusive as guerras.

De acordo com o estudo, intitulado “Água doente”, a falta de água limpa mata 1,8 milhão de crianças com menos de 5 anos de idade anualmente, o que representa uma morte a cada 20 segundos. Grande parte do despejo de resíduos acontece nos países em desenvolvimento, que lançam 90% da água de esgoto sem tratamento. No Brasil, uma das maiores causas de morte associada à falta de saneamento é a diarreia. A doença mata cerca de 2,2 milhões de pessoas em todo o mundo anualmente. Mais da metade dos leitos de hospital no planeta, diz o estudo, é ocupada por pessoas com doenças ligadas à água contaminada.

— O esgoto está literalmente matando as pessoas — alertou o diretor do Unep, o brasileiro naturalizado alemão Achim Steiner.

— Precisamos nos tornar mais inteligentes sobre a administração de água de esgoto se pretendemos sobreviver num mundo que caminha para ter mais de 9 bilhões de habitantes até 2050.

Questão de direitos humanos

O relatório da Unep ressalta que dois milhões de toneladas de resíduos contaminam cerca de dois bilhões de toneladas de água diariamente, seja em rios ou oceanos, causando gigantescas zonas mortas, sufocando recifes de corais e peixes. Para tentar solucionar o problema, o Unep recomenda sistemas de reciclagem de água e projetos para o tratamento de esgoto. Seu estudo coincide com outro relatório das Nações Unidas, publicado semana passada, que revela que uma entre cada seis pessoas no planeta não tem acesso à água potável e que até 2025, a estimativa é que dois terços da população mundial vão sofrer com a escassez de água.

Em mensagem sobre a data, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou que a água é uma questão de direitos humanos e está ligada a todos os objetivos da entidade, entre eles o desenvolvimento sustentável e a adaptação aos efeitos das mudanças climáticas.

Na Suíça, manifestantes espalharam em uma praça em Berna, capital do país, quatro mil mamadeiras cheias de água poluída. No Reino Unido, ativistas do Greenpeace colocaram um vaso sanitário em frente ao Parlamento britânico, em protesto contra a poluição das águas e a falta de tratamento sanitário no planeta.

Nenhum comentário:

Lei Estadual 8.878/2019 trata sobre a regularização fundiária de imóveis urbanos e rurais do Estado.

Representantes de entidades da sociedade civil paraense e do Ministério Público Federal (MPF) participaram, na manhã ontem terça-feira (8), ...